FIQUE POR DENTRO

Cadastre-se abaixo e receba as todas as novidades do Vestida de Mãe!

JÁ SOU CADASTRADO(A)

Quando tirar a chupeta da criança | Experiência Real

Cada família tem suas escolhas em relação ao uso da chupeta e mais do que isso, os bebês não são iguais – tem bebê que nunca pegou chupeta por vontade do bebê, tem bebê com menos necessidade de sucção, e tem bebê que fica mais tranquilo com chupeta.  Existem estudos que comprovam que o uso de chupeta reduz o risco de morte súbita em recém-nascidos. A verdade, para mim, é que a chupeta é um calmante! Eu nunca fui radicalmente contra, procurei sempre usar com moderação. Meu filho Nicolas só pegou a chupeta depois de 4 meses, antes ele chupava tão forte que ela caia e ele não conseguia pegá-la, obviamente – e eu não insistia muito. Depois passei a oferecer nas situações em que ficava muito irritado ou com sono – eu nunca achei bonito bebê com chupeta na boca o tempo todo, então evitava o máximo. Depois de 1 ano ele começou a querer usar ainda mais. E nesta época eu não fazia ideia de como tirar a chupeta. Posso ser sincera? Talvez a necessidade de chupeta seja maior para os pais do que para os filhos, porque é tão “zona de conforto” para gente oferecer a chupeta para eles se acalmarem que vamos deixando. Confesso que comigo foi assim. Toda vez que ele estava cansado, irritado ou na hora de dormir, a gente oferecia a chupeta. Depois dos 2 anos eu sabia que não era bom continuar o uso da chupeta e fui procurar embasamento com profissionais. Aqui em casa a gente tinha a situação de eu estar grávida do segundo filho e do Nicolas estar em pleno desenvolvimento de linguagem.

 Segundo o pediatra, o lado EMOCIONAL: depois que meu segundo filho nascer, o Nicolas tenderá a ficar mais carente e não é recomendado tirar a chupeta num momento de instabilidade emocional. Então ou eu tiraria radicalmente alguns meses antes do bebê chegar, para ele já esquecer a chupeta até o bebê nascer, ou seria muito difícil eu tirar durante o primeiro ano do bebê, e ele ficaria sendo uma crianças com mais de 3 anos e ainda de chupeta (o que não quero pelos pontos a seguir).

 Segundo a fonoaudióloga, o lado da PRODUÇÃO DE FONEMAS E RESPIRAÇÃO: Nicolas faz fonoaudiologia 2X por semana e segundo a fono Debora Granha, a chupeta faz ter um predomínio da respiração oral, o que faz com que mude a cavidade oral – o palato fica mais arcado, prejudicando a pronúncia dos fonemas. Para cada fonema temos ponto e modo de articulação (colocar a ponta da língua em determinado lugar para produzir um som), e com o uso da chupeta e a cavidade alterada, a criança perde um pouco da a dimensão e sensibilidade dentro da boca em relação aos pontos da língua. A chupeta diminui também a força da língua, a musculatura tente a ficar mais flácida. Por isso algumas crianças falam com chiado na lateral da boca ou projeção da língua. Sobre a respiração – começa a dormir de boca aberta, a respirar pela boca, o sistema respiratório começa a entender que o ar também pode entrar pela boca, enquanto o ideal é usar somente a via nasal.

 Segundo a ortodentista, o lado da CONFIGURAÇÃO DA ARCADA DENTÁRIA:
do ponto de vista da odontopediatria, segundo a clínica Oral Beauty, caso a criança tenha alguma alteração na arcada decorrente do uso da chupeta (a alteração mais comum é a mordida aberta anterior, quando os dentes não encostam na frente), sabemos que quando conseguimos tirar até por volta de 3 anos ou antes, a chance de remodelação e correção do formato da arcada é muito maior do que se tiver depois dessa idade que a criança já terá todos os dentes de leite erupcionados na boca. Além disso, quando a criança usa a chupeta por mais tempo, ou até mais importante que isso, por uma frequência diária muito alta, muitas vezes ao dia, ela tende a mudar a posição correta da língua. A chupeta ocupa o lugar que deveria estar a língua (apoiada no céu da boca) durante a deglutição e alguns fonemas, como consequência a criança pode começar a falar errado, engolir errado. Por isso ela deve ser usada pelo mínimo de tempo possível (só quando a criança vai dormir, ou seja, só quando vai deitar no berço ou cama, não vale usar desde que já começa a ficar com sono pq às vezes isso aumenta em muitas horas o uso diário) e ser removida até os 2, 3 anos no máximo.

Por tudo isso, eu sabia que não poderia mais postergar a fase de tirar a chupeta do Nicolas. Quando a gente tem certeza das nossas escolhas, do momento certo e com embasamento profissional, a gente tem tranquilidade no coração para tudo dar certo! No próximo post eu conto como foi retirar a chupeta do Nicolas.

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE

Cores e autonomia no novo quarto da Stella

Izabella Penna Escabeche é arquiteta, mãe da Stella e colaboradora do blog com suas dicas sobre quarto do bebê e criança.

Olá leitoras queridas! Hoje vou compartilhar com vocês mais um projeto fresquinho desenvolvido pela Decor Petit: o novo quarto da minha filha Stella! Um quarto lúdico, colorido e com muita autonomia para a minha pequena.

Minha filha está com 1 ano e 7 meses e quando ela completou 10 meses já senti necessidade de mudar todo o quarto. Minha insatisfação começou com o berço, pois já não estava confortável ter que ficar abaixando e subindo a grade para colocá-la para dormir e se ela acordava durante a madrugada eu ou meu marido tínhamos que tirá-la do berço, fazê-la dormir na poltrona e então voltar com ela para o berço.

E logo que ela completou 1 ano parecia que tinha outra criança em casa! É impressionante como foi um salto enorme no desenvolvimento motor e cognitivo dela: começou a dar os primeiros passos sozinha, a explorar ainda mais tudo ao seu redor, falar as primeiras palavras e interagir muito mais. Desta forma, percebi que o quarto de bebê (veja o projeto aqui) já não era nada adequado para esta nova fase. Ela precisava de espaço, de móveis ao alcance e de objetos para interagir.

Na cartela de cores o amarelo, pink e azul royal formam a base, junto com outras cores nos adesivos do teto e da cômoda. E para equilibrar toda essa explosão colorida, optei pela cama e mini closet em madeira pinus que é neutra mas dá uma aquecida no ambiente.

O conceito do projeto foi guiado no método Montessori e fiz um quarto para ser explorado por uma menininha cheia de vontades e personalidade. Escolhemos a cama casinha rente ao piso, mas optamos pelas grades laterais (são removíveis) porque a Stella se mexe demais à noite.

Desenhei uma estante / mini closet com nichos para os brinquedos que ficam ao alcance dela, um varão para roupas e uma prateleira para os sapatos. Meu marido não acreditou que os sapatos ficariam organizados, mas desde que o móvel chegou eu expliquei à Stella que ela teria que manter a ordem do quarto e que se tirasse os sapatos de lugar teria que devolvê-los depois. Ela entendeu e na maior parte do tempo tem funcionado muito bem!

E até os laços têm lugar certo na trança da boneca:

Duas prateleiras de livros ficam mais baixas e duas mais altas para os quadros e livros mais delicados que não quero que ela destrua! rs

E na lateral da estante há dois ganchos para acomodar mochilas e bolsas, uma ótima opção para deixar os objetos sempre à mão:

Mantive a mesma cômoda do quarto de bebê e troquei os adesivos das frentes das gavetas. Retirei os adesivos de bolinha que ficavam na parede do quarto antigo, recortei um a um e colei-os na frente da gaveta. E usei fita para pintura de parede para criar listras azuis no puxador das gavetas. Deu uma cara nova ao móvel sem gastar dinheiro e ainda temos a lembrança do quarto dela de bebê!

Comprei uma régua de crescimento muito fofa e instalei quadros acima da cômoda para que distrair a Stella na hora de trocar a fralda. Duas ilustrações que reforçam a importância da gratidão em nossas vidas e o quadro da melancia, ilustração que contém fragmento de um poema do Pablo Neruda e que comprei em uma viagem ao Chile no museu La Sebastiana, em Valparaíso:

O centro do quarto tem um espaço livre com tapete e almofadas para a Stella brincar, ler livros e também para podermos ficar com ela:

E repararam nos adesivos no teto? Inspirei-me o meu próprio post (este aqui) e resolvi tentar algo diferente. A Stella ama olhar para o teto e ficar admirando as “gotas de chuva”!

Gostaram do resultado? Eu amei! Minha filha aproveita muito mais o próprio quarto, desenvolveu um ótimo senso de organização e de autonomia também. Eu sempre digo: dê autonomia para os seus filhos através do quarto e ofereça um ambiente no qual eles possam ter a sensação de pertencimento. Vale a pena!

Projeto de Arquitetura de Interiores: Izabella Penna Escabeche | Decor Petit
Fotógrafa: Letícia Simon
Cama Casinha: Muskinha
Cômoda: Mundo do Bebê
Prateleiras para livros e tapete: Leroy Merlin
Mini closet: Casa e Oficina
Lençol e bandeirola de tecido: TokStok
Luminária estrela: Etna
Almofadas e rolos para cama: Pakatutti
Almofadas redondas: Eu amei ateliê
Adesivos teto e cômoda: Mooui
Trocador americano: Ateliê Pilulito

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE

Book Festas Kids | Festa Infantil Menino Pescador

As meninas da Park’s Decorações acreditam que todo menino gosta de uma boa pescaria. E assim criaram esse tema lindo e cheio de detalhes, uma das mesas mais encantadas do 1º Book Festas Kids Fair.

Decoração: Park’s Decorações
Aluguel e Mobiliário: @ideiaunica
Biscoitos decorados @anisartes
Bolo: @gustavohenrikcake
Doces modelados @deborahtami
Painel branco pintado com tinta e aquarella @agatharolim
Papelaria personalizadas@ateliearteepapel
Personalizados decorativos:@artlille
Itens decorativos para festa e home:@mdecor_party
Fotos: @Par2Family

Relações profissionais

CONVERSE COM A GENTE